A criança desaparecida

Rio das Mortes, ou Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, é um distrito pertencente ao município de São João del-Rei. Foi lá que, em 1810, nasceu Francisca Paula de Jesus, que mais tarde veio a ser conhecida como Nhá Chica, a primeira beata negra brasileira e que poderá vir a ser a primeira santa nascida no Brasil.

E era nos arredores do Rio das Mortes que vivia tranquilamente uma grande família de muitas posses e conhecida por sua benevolência.

Certa tarde, os irmãos brincavam no pátio quando o caçula, de apenas três anos, se afastou em direção à senzala e, em seguida, sumiu da vista dos outros. Algum tempo se passou até que percebessem que o menino, muito querido por todos, não voltara.

Os pais, preocupados, juntaram os escravos e então os mandaram em diferentes direções a procura do menino. Deveriam verificar cada canto das matas, grutas e serras. Nada deveria passar despercebido.

A busca se prolongou durante todo o entardecer. Procuraram em todo lugar e nada do menino aparecer. Perguntaram aos moradores da região, aos outros escravos, aos mercadores, ninguém tinha visto o menino.

Pouco a pouco, as equipes de busca foram voltando fracassadas, sempre na esperança de que o menino já tivesse retornado.

A mãe, cada vez mais desesperada, chorava e rezava muito, pedindo que as buscas não parassem enquanto o filho não fosse encontrado.

A escuridão cada vez mais profunda a aterrorizava e queria ela mesma sair em busca da criança, mas foi convencida a esperar.

Foi então, quando já amanhecida, que em meio aquela enorme confusão, a voz da pequena criança foi ouvida. Todos saíram em direção ao pátio, onde encontraram o menino que correu para a mãe e disse que estava com muito sono e queria dormir.

Todos lhe perguntaram onde estivera, mas tudo que ele respondia é que uma moça tinha ficado com ele o tempo todo.

Momentos mais tarde, dirigiram-se à igreja para agradecer pela saúde e segurança do filho, que consideraram dignos de um milagre.

O menino ia junto, agarrado à saia da mãe. Enquanto a mãe se ajoelhou para rezar, ele ficou distraído caminhando pela igreja e observando as pessoas e imagens.

Quando o menino voltou, a puxou pela saia e disse-lhe que vira a moça que tinha passado a noite com ele. A mãe levantou os olhos apressada perguntando onde ela estava, pois queria poder conhecê-la e agradecer por tudo que fizera por seu filho mais novo.

Ele então a levou para a parte da frente da igreja e apontou para o alto.

A mãe, já emocionada, percebeu que a mulher que havia cuidado com tanta bondade de seu filho e para quem o menino agora apontava era ninguém menos que Nossa Senhora das Graças, que, envolta em seu manto celeste, possuía um brilho especial naquela manhã.

Anúncios

Diga o que achou!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s